segunda-feira, 16 de maio de 2011

Teoria graceli da fisicidade e quimicidade – magneto graceli, energeticidade, radiação e faixas e camadas graceli.



Teoria graceli da fisicidade e quimicidade – magneto graceli, energeticidade, radiação e faixas e camadas graceli.


Autor. ANCELMO LUIZ GRACELI.

Brasileiro, professor, pesquisador teórico, graduado em filosofia.
Rua Itabira – n 5, Rosa da Penha, Cariacica, Espírito Santo, Brasil.



Registrado na Biblioteca Nacional. Brasil – direitos autorais.

Colaborador – Márcio Piter Rangel


Parte deste trabalho foi enviada para o Brazilian Journal of Physics, da SBF. Para sua publicação.



A partir do magneto graceli do espaço denso se forma os processos físicos, as partículas, os campos, e é dado início aos elementos químicos.

Desta fase inicia-se a fase da aglutinação e das radiações onde surgem os fótons, a temperatura, as faixas, camada, discos, e mantas graceli em torno dos astros e sistemas atômicos.

Com a aglutinação se formam os monopolos magnéticos dentro e fora, tanto dos astros quanto dos sistemas atômicos.


Ou seja, temos uma só teoria tanto para a química, quanto para a física, a astronomia e cosmologia. Ver teoria cafq graceli – na internet.



Os processos físicos determinam a energia, campos, matéria, formas, fases, fluxos, órbitas, variações, processos ínfimos, astros e dinâmicas, faixas, discos e camadas graceli.


A gravidade é o resultado do processamento dos monopolos magnéticos dos astros e sistemas atômicos. [ver teoria do código graceli para unificação de campos].


O código graceli da natureza é uma teoria geral, mas não final.

Pois, ela retrata a unificação geral entre fenômenos físicos e químicos, a unificação entre todos os campos e a matéria. E a simetria graceli biológica.


Algumas das provas das teorias de graceli são os cinturões de asteróides provando que há uma impulsão dos astros para fora e eles não são atraídos.


 Outra é a progressão das distâncias dos astros.

 Outra são os anéis, os cometas, os exosplanetas que ao contrário do que é retratado de que eles são atraídos, na verdade eles foram e são impulsionados para fora.

E suas órbitas e rotações invertidas se devem a algumas leis já retratadas nas teorias de graceli – ver teoria astronômica da inversão continuada, na internet.




Teoria graceli astronômica da inversão continuada.



As órbitas retrógradas e rotação invertida continuadas, de alguns planetas, satélites e cometas, exosplanetas se devem à própria energia dos astros e ao sistema de camadas graceli em que o astro já esteve ou está.


Esta inversão continuada graceli também é encontrada nos sistemas atômicos, na dinâmica e órbita dos monopolos magnéticos, nas correntes térmicas dentro dos astros, nas correntes oceânicas, na atmosfera, nas auroras boreal e austral, nas camadas, discos, e faixas graceli. E nos movimentos dos campos dentro e fora do astro.



Para teorias de sistemas interligados - ver teoria de graceli dos sistemas. Na internet.



Quiralidade cósmica – todo cosmo tem um maior deslocamento para um dos lados principalmente no início e na sua origem, porém, depois eles entram na fase da inversão continuada graceli.


E todo cosmo translada em torno de um vazio cósmico.



Confirma-se a inversão continuada graceli nos movimentos anômalos das galáxias e aglomerados.





Três formas de estado da matéria de graceli.

O espaço denso.
O magneto graceli do espaço denso.
Os campos são formas de matéria difusa.

Os campos surgem dos processos de energia que ocorrem na matéria, e que liberam no espaço magneto graceli e radiação na forma de fótons, partículas e campos. Ou seja, os campos são formas rarefeitas de matéria e energia.

Que em grande quantidade a parecem que são compactas, mas não são ínfimas, descontinuas e difusas, e rarefeitas.



Efeito graceli campônico.

Ou seja, os campos são formas de energia descontinua no espaço.


Quando é produzida a eletricidade sai um raio de luz na forma de fótons e eletricidade – do magnetismo e da rotação.

A mesma produção de eletricidade ocorre nos raios durante as tempestades.

Ou seja, todos os campos são formas de matéria descontinua e também na forma de energia.


A gravidade se apresenta como uma manta [ lençol] em torno dos astros e sistema atômico, como se fosse um só sistema continuo.


Ou seja, temos três estado da matéria e um efeito campônico.

E este efeito graceli campônico como formas de radiação. Ou seja, infinitamente descontinuo.


Ou seja, a gravidade, os monopolos magnéticos dos astros, das radiações, dos campos, do sistema atômico são todos formas de radiação descontinua.


Com isto temos uma abertura para a astronomia descontinua. E campos descontínuos.

E a gravidade de unifica com os outros campos como forma de energia e matéria descontinua.





Manta graceli de campos descontínuos e ínfimos.

Ou seja, os campos são formas de energia e matéria descontinua que tanto existem dentro da matéria quanto fora. E fora da matéria e dentro da matéria forma-se uma manta de radiação, matéria e energia que são descontínuos.

Esta manta descontinua possui rotação dentro [monopolos magnéticos] e fora do astro [gravidade].

Os monopolos magnéticos do sol são possíveis de ser medido e fotografado.

O da terra também.


Uma das provas de mantas graceli de energia são as rotações da lua e translação. Onde que a lua se apresenta como fizesse parte do sistema terrestre. E faz.

Com rotação ínfima, quase não vira as faces oculta e exposta.

Isto também acontece com as rotações de Mercúrio e Vênus em relação ao sistema solar.

E também acontece com o satélite Amaltéia de Júpiter.


Teoria da imprevisibilidade.


À medida que descemos na escala ínfimus a imprevisibilidade, a assimetria e a incerteza aumentam.


Decrescimento da escala ínfimus = crescimento da escala de imprevisibilidade, incerteza e assimetria.

Isto pode ser confirmado com alguns fenômenos quânticos e nucleares, como por exemplo quando um fóton é expelido instantaneamente quando um elétron salta de uma órbita para outra.

Mesmo o salto do elétron acontece instantaneamente, não respeitando a dimensão do tempo e do espaço, mas se encontra dentro das dimensões graceli da energia. Ver código graceli da natureza – na internet.



Isto acontece nas formas, fases, no sistema atômico, em alguns decaimentos e isótopos, fluxos e sistema ínfimo atômico, campos e eletricidade, dentro de uma partícula. Pressões de gases e dilatações, e órbitas aleatórias de partículas e gases dentro de recipientes com grandes pressões.


Assim, pode-se dividir a natureza do grande e do ínfimo. Porém órbitas anômalas de galáxias também entram na imprevisibilidade, incerteza e assimetria.


A mundo ínfimo da natureza é a troca, a mudança em grande quantidade mesma sendo ínfima e descontinua.

A gravidade não é mais um sistema contínuo, mas uma manta graceli descontinua de energia, e que todos os campos são um – formas de energia ínfima se processando dentro e fora da matéria.



Energia, campos, e matéria é uma só coisa – magneto graceli aglutinado produzindo energia.


A matéria não mais se divide em partículas e elementos químicos – mas componentes alquímicos graceli.

Ou seja, em ínfimos processamentos de energia.

Pois, o átomo não é mais uma partícula, mas um sistema ínfimo de produção de energia, troca, impulsão e transformação de magneto graceli em matéria mais energética.



O fóton passa a ser dividido em luminoso e escuro.



Assim, é o ser deixando de ser, é a relação e a mudança ínfima e descontínua.

Um campo magnético se transforma imediatamente em eletromagnético.


Uma partícula pode se fundir formando outra. Um elemento pode decair ou fundir mudando a sua natureza e isótopos. E o elemento passa a ser outro.


Porém, o componente alquímico graceli se encontra no mundo ínfimo.

Pois, um átomo se comparado com um estádio de futebol, os elétrons ocupariam as arquibancadas e os prótons e nêutrons o centro do campo. Ou seja, há um espaço imenso para troca incessante de energia.


O sol é uma estrela no mundo macro, mas no mundo ínfimo e micro é vários e ínfimos no tempo, no espaço e na energia dimensional.

Como o sol não é único também a gravidade não é contínua.


Um componente alquímico graceli pode se transformar em vários, o que determina cada fase e identidade passageira é a energia ínfima que a produz.




Teoria da curvatura de energia.


A energia dentro e fora do astro e do componente alquímico graceli tem uma natureza descontinua e ínfima, mas se apresenta curva e com função curva, como uma manta dentro [monopolos magnéticos e faixas graceli interna], e fora faixas, camadas e discos graceli.


As curvaturas de energia são variáveis e decrescentes em alcance e intensidade.
E varia conforme ao sistema que a produz.

Em torno do fóton também há uma camada graceli de energia curva.


Não é o espaço que é curvo, mas a energia.


As camadas graceli de energia e campos também têm movimento rotacional e translacional, e variam em excentricidade e inclinação. Ou seja, se apresentam também nas formas de elipse e inclinações.


E desenvolvem a inversão graceli continuada dos movimentos.




Teoria da interação da totalidade.


A totalidade de todos os fenômenos em volta de um sistema de produção de energia determina todas as variações e trocas que aquele sistema possa passar. E o sistema tem ação sobre a totalidade de todos os sistemas.

Um campo eletromagnético da atmosfera pode influir sobre a fusão nuclear dentro de um reator. Ou uma pressão de gases serem influenciados por fatores externos.




Teoria graceli para volume e unicidade de cargas.


O volume determina as cargas positiva e negativa com isto só há uma carga.


Quando o volume é grande de uma partícula ou componente alquímico graceli há um efeito de atração. Partículas e componentes alquímicos graceli com grandes potenciais de energia.

Mesmo assim a radiação acontece processando uma radiação para fora.

Isto também acontece com a liberação de fótons sempre quando um elétron pula de uma camada para outra.


Quando o volume é ínfimo, descontinuo e quântico de uma partícula há um efeito de repulsão. Isto é comum entre prótons e prótons e nêutrons.

Partículas grandes com partículas grandes.

Mesmo assim ocorre a liberação de componentes alquímicos graceli.

Toda partícula é um sistema de componentes alquímicos graceli. Inclusive os fótons luminosos e escuros [radiação escura].






Teoria da unificação geral.



No código graceli da natureza foi desenvolvido  uma unificação entre campos, energia e partículas.

Nesta parte do texto será da uma continuidade de unidade dentro da física, química, cosmologia e astronomia [cafq graceli].



Como já foi retratado em meus textos que todos campos são formas de radiação ínfima, e que mesmo parecendo ser uma manta continua de energia, é na verdade uma manta descontinua de energia.



Esta matéria energética e magnética ínfima e escura forma todas as partículas e campos. E aceleram os processos energéticos nos processos na formação dos elementos químicos, nos decaimentos, e todos os processos quânticos e nucleares.



Esta matéria energética e magnética ínfima é o magneto graceli que aglutinado forma o componente alquímico graceli.



Este componente alquímico ínfimo quando ativado por acréscimo de temperatura, ou pressão nos gases aumenta o potencial de energia e campo interna e externa [camada graceli nas partículas] aumentando a energia total do sistema.





Teoria graceli ínfima.
Teoria alquímica graceli.


Campo ínfimo, componente alquímico ínfimo.

Camada ínfima externa variável.


Assim, muito menor do que a constante de Planck para radiação descontinua, há a natureza ínfima graceli.



Uma radiação do tamanho da constante de Planck [h] ao se processar no espaço se encontra em processos ínfimos. Estes processos contêm campos variáveis, energia variável, camadas graceli variáveis.


Um fóton ao ser ejetado sempre quando um elétron pula de uma camada para outra, ele é constituído de ínfimas partes de magneto graceli e componente alquímico graceli.



Imagine que os elétrons ocupem as arquibancadas de um estádio e os prótons e nêutrons ocupem todo centro onde a bola inicia o jogo. E as gramas são os componentes alquímicos graceli, e cada célula das folhas são os magnetos graceli. E o estacionamento em torno do campo são as faixas e camada graceli descontínua.



Ou seja, entre prótons neutros e elétrons e envolta há uma enorme quantidade de energia, campos ínfimos, camadas graceli de campos, onde ocorre uma intensa troca de energia e de interação de uma sobre a outra.



Por isto que ocorre os decaimentos e as fusões, e os gases quando sob pressão aumentam o seu movimento e variações aleatórias, pois as partículas aumentam também a sua energia, campos e camadas graceli externa.



Com o aumento de temperatura aumenta a radiação por que aumenta a produção de energia e a produção de matéria dentro e fora das partículas e gases.



O magneto graceli e o componente alquímico graceli inflam e aumentam a sua produção de energia conforme são ativados por temperatura, campos, pressão [principalmente nos gases], aceleradores de partículas e reatores nuclear. E variações nos astros e de um sobre o outro. Por exemplo, da radiação solar sobre a terra.




Os componentes alquímicos graceli e o magneto graceli também variam conforme o estágio em que se encontram elementos químicos, isótopos e decaimentos nucleares.


Esta variação de intensidade e potencial de energia do componente alquímico graceli varia conforme a energia de cada elemento químico.



Por exemplo, o ferro tem menos potencial de componente alquímico graceli do que o urâneo e o thório.


Pois o ferro é mais estável.



Cada molécula de gás ao sofrer a alteração no seu componente alquímico graceli ela infla e aumenta a sua camada graceli externa de energia. Ou seja, ela aumenta de tamanho, aumenta a sua camada graceli externa, aumenta a sua energia, temperatura e com isto o movimento aumenta o seu movimento aleatório. Por isto que a pressão sobre o recipiente aumenta.




O componente alquímico graceli e o magneto graceli são formas e estágios de energia-campo, mas não chegam a ser materializados, com isto não são partículas.


[ver as quatro dimensões graceli de energia, no código graceli da natureza].



O movimento aleatório nos gases aumenta à proporção que a temperatura e gases são aumentados. Isto por que a energia de cada gás e componente alquímico graceli é acelerada por gases e temperatura.


Ou seja, por que a energia geral de todo sistema e gás é acrescida de temperatura e pressão.



Como já foi tratado no código graceli da natureza que o que difere as cargas e os campos é o volume.


Qualquer campo pode desenvolver funções de atração e repulsão.


E todos os campos são únicos, e tem a sua unidade no magneto graceli.



E todas as partículas são as aglutinações de espaço denso pela ação do magneto graceli.


O componente alquímico graceli é a natureza processual da energia-campo-matéria, na sua ínfima constituição.


E por isto que há partículas com as duas cargas – elétrons e pósitrons.


Assim, temos a unidade entre espaço denso, campo, energia e matéria.





Unificação geral.

Assim, todos os campos surgem do magneto graceli.


E a aglutinação pelo magneto graceli produz a matéria e o movimento da matéria produz a eletricidade e monopolos magnéticos, e conforme o volume terá campos fracos e fortes, positivos ou negativos.


Sempre quando o volume for grande a interação será de atração e campo forte, no caso campo forte nuclear e gravidade. E campo fraco nuclear e eletricidade.



Assim, todas as partículas são únicas, pois são constituídas de espaço denso constituído de magneto graceli.



O mesmo acontece com os campos e a energia.


Assim, espaço denso = campo = energia = matéria = componente alquímico graceli = elementos químico.


Desta combinação surgem os elementos, dinâmicas, órbitas, faixas e camadas graceli, astros e o cosmo.

Temos assim, um fluxo de processos de fora para dentro e de dentro para fora.


Temos assim, um universo único de origem continuada, homogêneo e sem forma definida na sua constituição macro. Por isto que se apresenta com plano.


Porem, na constituição de astros, partículas e camadas graceli se apresenta como curvo.


Esta curvatura é feita pela própria natureza da matéria de se aglutinar.


As partículas também são constituídas de faixas e camadas graceli.



A gravidade tem ação de atração sobre a água líquida e sólida durante a chuva e granizo, e de repulsão sobre a água gasosa – durante a evaporação. Ou seja, o determinante é o volume.


O mesmo acontece com os elétrons e pósitrons.



Os pósitrons são atraídos pelos prótons por serem volumosos. E os elétrons são repelidos por serem muito menores.



Divide-se um pósitron em milhares de elétrons e eles passaram a ter uma repulsão.



O mesmo acontece com o fóton quando é expelido instantaneamente sempre quando um elétron pula de uma camada para outra. Ou seja, é expelido.




O mesmo acontece com os campos nucleares fortes e fracos.



Ou seja, a natureza além da temperatura tem outro componente fundamental no fluxo e processamento do cosmo. Este componente é o volume.


E cargas positivas e negativas podem ser determinadas por cargas únicas, pois o que determina que uma carga seja positiva ou negativa é o volume.




E todo campo é um só, e o que determina que um campo seja de atração ou repulsão é o volume.



E todo partícula também é única, pois o que determina que ela seja de ação de atração e repulsão é o seu volume.



E o que determina a carga única é a natureza do magneto graceli do espaço denso. Da onde se têm origem todos os campos, cargas, partículas, faixas e camadas graceli.



E a matéria e energia nascem [e são] esta aglutinação e componente alquímico graceli – de produção de energia.



Assim, temos uma unidade geral entre.


Espaço denso e magneto graceli, campos e carga, energia e matéria, componente alquímico graceli e elementos químicos.



O componente alquímico graceli é um constituinte energético que é um campo semi aglutinado e que não chega a ser uma partícula.


Não consegue ser detectado, mas a sua presença é sentida nas alterações físicas, química e nuclear.
Assim, temos a física ínfimus graceli, que vai além da física quântica e nuclear, e que trabalha a unidade da natureza é a descontinuidade infinita da mesma.



Que é o semi aglutinado, ou componente alquímico graceli.



Teoria graceli de física ínfimus, e componente alquímico graceli.


Esta teoria difere da quântica, pois a quântica trata da descontinuidade da matéria e da radiação de pacotes de energia e da incerteza em alguns fenômenos.


Esta trata de invisibilidade e da energia-campo voltada para a unicidade geral entre espaço denso e magneto graceli, campo, energia e matéria. E o componente alquímico graceli sendo um componente de energia-campo da invisibilidade entre o magneto graceli e a matéria e os elementos químicos, fenômenos nuclear e quântico.



Enquanto a quântica trata da descontinuidade da radiação, a ínfimus e componente alquímico graceli trata da natureza da física e alquímica na forma de energia-campo, e nasce de liberação no instante da radiação, mas é uma natureza intermediaria entre o magneto graceli [componente primordial da natureza] e a matéria.


Teoria graceli da unicidade geral.

A unicidade geral das teorias de graceli trata da equalização e relação conceitual de.

Magneto graceli = ínfimus g = componente alquímico graceli = aglutinação = campos = rotação  = energia = matéria = elementos químicos = astros = cosmo.


Entre os elétrons e prótons e nêutrons não há um espaço vazio, mas é repleto do componente alquímico graceli e campos que se transformam em energia, fótons e partículas. Por isto que ocorre os decaimentos e os isótopos, fusões e fissões, variação de elementos leves em pesados e de pesados em leves [ver teoria dos energeticuns – na internet].


E a faixa e camada graceli atômico também participa com energia para o sistema atômico e seus fluxos e sua estabilidade.


Com isto o átomo não é uma partícula, mas um sistema atômico de energia, componente alquímico graceli e campos e camada e faixa graceli de energia.


Estas variações também ocorrem nos gases e no seu movimento, aumentando os movimentos aleatórios conforme a energia vai aumentando.


Com isto abrimos uma unicidade [cafq graceli] entre o micro e o macro, um universo continuado e sistema atômico continuado. Sem inicio e fim.

Onde a dimensão principal não é o espaço e nem o tempo, mas a energia, [ver as quatro dimensões graceli de energia], pois é a energia que determina o espaço, o tempo e o movimento, as formas, fases, e fluxos.





Sobre a natureza do espaço.

O espaço não encurva, não estica, não expande, não tem forma definida, para isto ele deveria ser compacto, contínuo, ser uma só peça. Pois o espaço é ínfimo na sua natureza e constituição.


A camada, disco, e faixas graceli não encurva o espaço, mas sim, a energia pode se curvar conforme o sistema que a produz. E que tem alcance e densidade decrescentes, conforme o agente que a produz.





Variações e fases na astronomia.

A astronomia pode ser dividida em quatro partes.


1- A interna – movimento do monopolos magnéticos e de correntes de temperatura, sismos, movimentos de campos, tectônicos, correntes marinhas.

2- A periférica – movimento de lateralidade, aurora boreal, fluxo de gases e evaporação, chuva e granizo, ação magnética e atmosférica.

3- A das faixas, discos e camadas graceli – após a periférica e que tem ação direta sobre a origem e desenvolvimento dos fenômenos astronômicos e formação dos anéis, e astros.


4- Após as faixas e camadas graceli – onde estes agentes dão  lugar à própria energia do astro. Onde o astro passa a desenvolver as suas dinâmicas e órbitas, e fenômenos de inversalidade continuada graceli.





Cosmoastronomia graceli. Cafq.

Conforme o tamanho e densidade das galáxias são as suas rotações.

As galáxias também variam em tamanho, forma, densidade, fases, e fluxos.

Elas encurtam e esticam, arredondam e esticam num fluxo continuo. E se entorse, ou seja, se compararmos uma galáxia com uma panqueca em disco, conforme a sua inclinação rotacional de uma extremidade a outra ela não será um disco e espiral plano, mas um disco torto.

O mesmo acontece com a translação e rotação inversa de algumas estrelas que compõe as galáxias, enquanto a maioria se desloca em um sentido, outras mais do centro e da extremidade se deslocam em sentido perpendicular continuado e inverso continuado.

Continuado é por que conforme a fase se encontra sempre desenvolvendo movimentos de ida e volta, ou seja, fluxos perpendiculares e de inversão.


Assim, as galáxias e aglomerados desenvolvem formas e movimentos e órbitas elípticas, de encurtamento e esticamento e arredondamento, balanço nos movimentos, principalmente balanços nas espirais e no alinhamento na fase de discos.


As galáxias desenvolvem estes fenômenos e seu movimento anômalo por causa dos fenômenos da fisicidade e dos quatro partes físicas e astronômicas desenvolvidas nas teorias de graceli.

Que são.

1- A física e astronomia interna e componente alquímico graceli.

2- A física e astronomia periférica.

3- A física e astronomia de faixas, camadas e disco graceli.

4- A física e astronomia fora das faixas, camadas e disco graceli.


É estas quatro fases que determinam o formato das galáxias na forma de sombreiro e de espirais.




Que é um ligeiro arredondamento no centro – onde tem uma grande quantidade de estrelas com maior inclinação orbital e rotacional, e uma maior elipse e inversão e perpendicularidade continuada.



Mais ao centro da galáxia onde as faixas e camadas graceli são mais ativas e com maior intensidade de ação acontece o fenômeno do achatamento do disco, do alinhamento, da panqueca, do sombreiro. Onde as inclinações diminuem, a elipse diminui e a inversão e perpendicularidade diminui.


E fora das faixas e camadas graceli, os fenômenos e fluxos são mais intensos, com maiores elipses e inclinações continuadas, com os fenômenos do esticamento e encurtamento sendo maior, o arredondamento, os fenômenos e fluxos da perpendicularidade e inversalidade continuada mais intensa, e os movimentos anômalos mais presente.



Os aglomerados e as nebulosas também passam pelos mesmos fenômenos.



O que faz parecer que as galáxias se encontram dentro de uma casca de energia para elas desenvolverem os movimentos anômalos é verdadeira. Pois esta casca descontinua de energia são a camada e disco periférico graceli.



Pois, um astro tem o seu diâmetro físico e astronômico alem do seu diâmetro sólido. Mas também incluem o periférico e atmosférico e os da faixa, disco e camada graceli.

Se compararmos ao sol, este tem o seu diâmetro físico e astronômico que vai próximo de Marte, ou seja, com 1.5 UA.

A extensão física depende do potencial de produção de energia.



A lua faz parte do sistema de extensão da terra, por isto que tem uma rotação ínfima. E desenvolve o fenômeno da face exposta e face virada.

A rotação ínfima também acontece com Mercúrio e Vênus, e todos os satélites próximos de seus primários.

O mesmo acontece com os anéis, planetas, satélites, sistema atômico.



Pode-se dividir o átomo em.

Diâmetro sólido.
Diâmetro do componente alquímico graceli.
Diâmetro periférico.
Diâmetro de faixas, disco e camadas graceli.



E os astros e galáxias em.

Diâmetro sólido.
Diâmetro periférico.
Diâmetro de faixas, disco e camadas graceli.



Assim, eles e seus primários se movimentam dentro da própria energia que os mesmos produzem no espaço. Até o alcance máximo, após esta fase eles passam a desenvolver os seus próprios movimentos, órbitas e inversões.




Assim, as galáxias se encontram dentro de uma bolsa graceli de energia produzida pela própria energia da galáxia.



Dentro desta bolsa graceli de energia há movimentos e órbitas de energia e de monopolos magnético externo.



Esta órbita de monopolos magnético varia e desenvolve inclinações, elipse e retorcimentos e tem movimentos próprios independente do movimento rotacional do astro. Isto se confirma com fotos tiradas do sol durante vinte anos.


E chega a ter movimentos retorcidos, invertidos e perpendiculares.



Os braços das espirais quando dentro da fase das camadas graceli sofrerão um encurtamento. E ao sair das camadas graceli se alongarão.


O mesmo acontece com os sombreiros.

Estas variações também acontecem com os balanços no alinhamento em relação a outras galáxias.



Toda galáxia que se encontra numa intensa rotação é que se encontra numa fase de nova para intermediaria. Ou seja, não é nova na fase de nebulosa, e não é velha numa fase de estrelas distante umas das outras.


Assim, temos.

Transrotação – rotação de átomos, astros e galáxias fora de um eixo ou ponto fixo no espaço – movimento transrotacional do astro.

Balanço rotacional inclinado em relação ao alinhamento.

Avanço e retorno rotacional no espaço.

Esticamento e arredondamento dos braços de galáxias e órbitas de astros. E camadas graceli.

Na transrotação o centro fica num dos lados, ou há uma variação [mudança] continuada do centro.

E que pode ser rotacional e transrotacional, fazendo por algum tempo o eixo do movimento no centro do sistema, e voltando o centro do movimento num dos lados. Assim, temos um movimento alternado – rotacional e transrotacional.


Alguns planetas, estrelas e cometas desenvolvem a transrotação.



Os estados fundamentais da matéria.

1- Sólida, liquida, gasosa e plasma.

2- De energia-campo, componente alquímico graceli, e magneto graceli. E espaço denso.


Isto explica o movimento anômalo das galáxias, e o seu comportamento quando em grupos como os aglomerados.


O magneto graceli é um estado primordial de campos e energia e que ainda não chegou a ser matéria. E não reflete a luz.

Por isto pode ser chamada de matéria escura. Não chegou ainda a ser radiação.


Mas, se distribui em todo espaço e forma uma camada em torno dos astros, galáxias e aglomerados.


Assim, a luz ao passar próximo de um astro tenderá a ter um pequeno desvio, porém isto não se deve a uma imaginaria curvatura do espaço, mas um efeito da camada e faixa graceli de energia.


Por isto que conforme a posição em relação ao mesmo astro, uma luz poderá ter variações nos desvios, ou menor ou maior. Pois poderá ser só da camada graceli, ou só da faixa graceli de energia.

E o desvio também depende da intensidade de energia das duas – faixas e camadas. E que estas dependem da intensidade de energia do astro que a produz.


Por isto que próximo de grandes estrelas há tantas variações nos movimentos dos astros.


E os determinantes são os estados da matéria energia no espaço.



Teoria graceli de astronomia e cosmologia de


Produção continuada
Mudança continuada.
Formas, fases, e fluxos continuados.
Afastamento continuado.
Esticamento continuado.
Inversalidade e retrogracidade continuada.
Órbitas e movimentos anômalos continuados.



A causa das distâncias entre os planetas se encontra na energia e faixas e camadas graceli. Isto explica na progressão maior que existe entre marte e júpiter, uma vez que há uma grande diferença entre os diâmetros dos dois planetas.

A astronomia graceli explica os fenômenos, fases, formas, fluxos, variações e inversões, mudanças, esticamento e encurtamento, e inversões continuada de órbitas.





Teoria graceli de astronomia e cosmologia anômala continuada.


Os astros quando dentro de sistemas de faixas e camadas e discos graceli tendem a se manter num alinhamento em relação ao equador solar e eclíptica.
  

Porém, quando saem deste sistema graceli de energia passam a desenvolver movimentos anômalos continuados e invertidos continuados.

Como quiralidade, inversão, fluxos, retorcimentos e lateralidade, fases.



Os fluxos podem ser comparados com um pendulo, onde o astro obedece quase um sistema de pendulo. Que chega até uma extremidade e depois retorna.



Isto é mais visível no movimento rotacional da terra quando nos referenciamos com os movimentos da lua, sol e estrelas.




O retorcimento continuado se deve aos monopolos magnéticos dos astros. Onde alguns astros possuem um retorcimento continuado mais acelerado.




Encontramos isto com mais intensidade no sol, na inclinação rotacional [axial] de Vênus, urano e plutão, onde eles com a sua aceleração de retorcimento continuada é mais intensa, e já desenvolverão uma inclinação rotacional de mais de noventa graus, e Vênus se movimenta de cabeça para baixo.


Esta variação anômala também acontece com a translação. Que já se encontra mais acentuada nos exosplanetas, cometas, asteróides, e estrelas em sistemas de galáxias.



Teoria graceli para sismos e tectônicos.

A causa principal são as variaçóes geoquânticas dentro do astro.

Estas variaçóes que ocorrem num bloco e sistema atômico numa grande quantidade são expelidas em forma de radiação, estas radiações produzem os sismos e deslocamentos de placas levando a formação de terremotos.

O terremoto é também uma erupção instantânea de energia térmica e magneto elétrico. Que partem dos fenômenos geoquânticos e geo magneto elétrico.

Os vulcões também surgem desta expelição geoquânticas de radiação térmica e magneto elétrico.

Um terremoto tem uma causa instantânea, enquanto um vulcão tem uma causa continuada. Ou seja, naquele ponto as radiações geoquânticas conseguem romper a estrutura do astro e manter a expelição.

Isto que faz com que alguns terremotos sejam mais fortes do outros.

Ou seja, é a intensidade destes blocos de processos geoquânticos que produzem expelição de energia na forma de radiação térmica e magneto elétrico.

Conforme a intensidade desta expelição que faz com que ajam maremotos e tisuname.

Com a retirada do petróleo o planeta perde um grande absorvidor de parte desta radiação térmica e magneto elétrico que é natural em todos os astros.

E que o planeta terra já passou por esta fase de intensa radiação e expelição. Pois o planeta está se afastando do Sol e a sua energia está em desintegração.

Isto é comum no planeta Vênus.

O alinhamento rotacional do planeta com o sol, e as radiações do sol tem ação direta sobre o planeta terra. Pois estamos dentro de uma camada de energia solar. Que é a camada de radiação térmica e magneto elétrico.

Esta camada vai até marte.

Foram observadas e filmadas algumas erupções de radiação no Sol. Esta energia tende a chegar até nós.

Com o aumento progressivo destes fenômenos pode haver um maior deslocamento rotacional dos pólos magnéticos do planeta. Pois no momento nos encontramos numa razão de 100 giros dos pólos magnéticos para um milhão de anos. 

Isto também  terá alterações nos fenômenos geoquânticos, térmico  e magneto elétrico.

Com o aumento destes fenômenos podemos ter vários problemas atmosféricos nas próximas décadas. E queimaduras no corpo.

Se todo petróleo for extraído, aí meu filho, não dá para onde correr.

Isto terá influência sobre a genética, com problemas para descendentes. E o número de câncer será aumentado. Serão mais agressivos, e a causa principal de mortes. Pois a radiação tem uma ação direta sobre o funcionamento dos seres vivos.

As plantas tenderão a diminuir de tamanho.




Teorema de graceli para geometria.

Autor. Ancelmo Luiz Graceli.


Postulado 1 - A soma do quadrado dos catetos [os dois lados menores de um triângulo] cresce à proporção que o ponto de intersecção entre os dois catetos se afasta da hipotenusa [lado maior].


Ou seja, se o triângulo abre. As áreas também crescem.



Área quadrada de a é diferente da soma da área quadrada de b e c. E cresce à proporção do afastamento do ponto de intersecção dos catetos b e c.



Postulado 2 - E a soma do quadrado dos catetos decresce à proporção que o ponto de intersecção se aproxima da hipotenusa.



Ou seja, os valores são variáveis.

Assim, o quadrado da hipotenusa nunca é igual ao quadrado da soma dos catetos.

E o quadrado da soma dos catetos sempre será crescente conforme o ponto de intersecção se afasta da hipotenusa.



E decrescente conforme o ponto de intersecção se aproxima da hipotenusa.



O teorema de Graceli difere do de Pitágoras.


Este teorema pode ser confirmado com experiência.



Exemplo.

O quadrado da hipotenusa de dez centímetros é cem centímetros quadrados.

E se cada cateto tiver nove centímetros, logo a soma do quadrado dos catetos é 162 centímetros quadrado.

E se cada cateto tiver seis centímetros, logo a soma do quadrado dos catetos é 72 centímetros quadrado.


Com isto se conclui que a soma do quadrado dos catetos é variável, e aumenta à proporção que se afasta da hipotenusa.


E diminui à proporção que se aproxima da hipotenusa.



Postulado 3 – a soma do quadrado dos catetos nunca será igual ao quadrado da hipotenusa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário